Marketing Jurídico: apostar no conteúdo para criar audiências

Marketing Jurídico: apostar no conteúdo para criar audiências

Falar em Marketing Jurídico pode parecer uma contradição. Afinal, sabemos que o exercício da atividade jurídica tem regras muito específicas, inclusivamente no que diz respeito à informação e à publicidade.

Ao mesmo tempo, são temas que tocam todas as esferas da nossa vida, sendo essencial fomentar a literacia jurídica. Dessa forma, os cidadãos têm um acesso fácil à informação e podem exercer a sua cidadania de uma forma eficaz.

Importa, pois, perceber de que forma os advogados e as sociedades de advogados podem criar e desenvolver canais de Marketing e Comunicação, apostando em conteúdos digitais que lhes permitam criar uma audiência e fidelizar clientes. Sendo certo que, ao passar informação e conhecimento, mostram competência. 

Limitações legais à publicidade e ao Marketing Jurídico

Na área jurídica, a atividade publicitária não está totalmente vedada; está, sim, regulada. O Estatuto da Ordem dos Advogados é claro ao afirmar no Artigo 94.º que “os advogados e as sociedades de advogados podem divulgar a sua atividade profissional de forma objetiva, verdadeira e digna, no rigoroso respeito dos deveres deontológicos, do segredo profissional e das normas legais sobre publicidade e concorrência”.

O próprio artigo define o que se entende por “informação objetiva” e o que considera serem “atos lícitos de publicidade”. Neste último caso, incluem-se, por exemplo:

  • A promoção ou a intervenção em conferências ou colóquios; 
  • A publicação de brochuras ou de escritos, circulares e artigos periódicos sobre temas jurídicos em imprensa especializada ou não, podendo assinar com a indicação da sua condição de advogado e da organização profissional que integre;
  • A menção a assuntos profissionais que integrem o currículo profissional do advogado e em que este tenha intervindo, não podendo ser feita referência ao nome do cliente, salvo, excecionalmente, quando autorizado por este, se tal divulgação for considerada essencial para o exercício da profissão em determinada situação, mediante prévia deliberação do conselho geral.

Por outro lado, são considerados “atos ilícitos de publicidade”, por exemplo:

  • A colocação de conteúdos persuasivos, ideológicos, de autoengrandecimento e de comparação;
  • O uso de publicidade direta não solicitada.

Analisando as regras definidas para a Comunicação, Marketing e Imagem de advocacia, o advogado Carlos Pinto de Abreu conclui, num artigo de opinião publicado no Jornal de Negócios, que “não se impede a publicidade ao exercício da advocacia”. Entende, sim, que a posição do Estatuto é “razoável, porque exigente e ética, equilibrada e aberta”, assegurando a ética do exercício da profissão. Com mais detalhe, Carlos Pinto de Abreu explica qual o seu entendimento:

(…) não há qualquer problema na participação de advogados ou advogados em programas televisivos ou radiofónicos. Os advogados também são cidadãos. E como cidadãos têm direito a falar sobre a ‘res publica’. A dar a sua opinião e a transmitir as suas ideias. Têm, mais, todo o direito a discutir as questões jurídicas em termos gerais e abstratos, assim como as magnas questões atinentes ao exercício da justiça, também em termos gerais e abstratos. O que não podem é discutir, tomando posição, num ou noutro sentido, dando opiniões sobre processos pendentes.

Estratégias de Marketing Jurídico que funcionam

Cientes de que deve haver uma separação clara entre a publicidade mais comercial e propagandística e a publicidade exclusivamente informativa, há um conjunto de estratégias que podem ser aplicadas.

Uma estratégia de Content Marketing ou Marketing de Conteúdo, centrada na produção de conteúdo relevante e informativo que segue as boas práticas de SEO, é uma das mais importantes estratégias de Marketing Digital. No caso do Marketing Jurídico, é possível captar a atenção e o interesse de quem procura ativamente um determinado tema, pesquisando através do Google. 

Nesse sentido, ao criar conteúdos relevantes que respondem a estas pesquisas, os advogados e as sociedades de advogados ganham relevância e autoridade junto do seu público-alvo e criam uma audiência. Esta audiência pode ser alcançada através de vários meios, utilizando diversos formatos (texto, vídeo, infografias, etc.).

artigos de blog

Artigos de blog: uma forma interessante de publicar o conteúdo, permitindo esclarecer dúvidas e analisar temas da esfera de atividade de cada advogado ou sociedade. Assim, é possível responder às dúvidas e questões que mais são suscitadas pela audiência. Produzidos internamente, pela equipa de especialistas, ou externamente, estes conteúdos vão gerar afinidade e confiança.

noticias

Notícias: acompanhar a atualidade jurídica é também uma forma de informar e criar uma audiência que precisa de ter um conhecimento atualizado sobre determinadas áreas do universo jurídico. Ao mesmo tempo, as notícias podem acompanhar a atividade do respetivo escritório de advogados, dando a conhecer os momentos mais importantes do seu dia a dia.

eventos

Eventos: a criação ou participação em eventos ligados à área jurídica é ainda uma maneira de mostrar e passar conhecimento. Neste caso, trata-se de uma forma de Marketing Jurídico essencial para firmar a credibilidade.

publicações periódicas

Publicações periódicas: os advogados podem ainda produzir publicações periódicas com a atualização das alterações legislativas e a análise dos tópicos mais relevantes. Desse modo, ajudam a desconstruir os temas jurídicos para os seus clientes e seguidores.

artigos de opinião

Artigos de opinião: estes artigos podem ser publicados em meios próprios ou media digitais. Dão visibilidade e evidenciam o conhecimento, a credibilidade e a reputação dos advogados e das respetivas sociedades.

redes sociais

Redes sociais: meios fundamentais de divulgação dos conteúdos e de relação assídua com as audiências, as redes sociais são uma forma de Marketing Jurídico que permite criar relações mais próximas.

newsletters

Newsletters: o email é uma ferramenta muito presente no dia a dia. Assim, as newsletters permitem personalizar a comunicação, veicular os conteúdos mais importantes publicados nos vários suportes, e criar uma relação assídua com os seguidores.

Exemplos de Marketing Jurídico de sucesso

Os diversos exemplos mostram que, independentemente do tamanho da firma, escolher uma estratégia de conteúdos beneficia sempre o Marketing Jurídico e a empresa.

Cuatrecasas

A sociedade de advogados Cuatrecasas, com sede em Portugal e em Espanha e com presença em 13 países, é um exemplo claro de uma estratégia de Marketing Jurídico que aposta na produção de conteúdos. Assim, avançou com a criação de um blog, abordando temas de atualidade jurídica, propriedade intelectual, área laboral ou mesmo de desporto. Além disso, desenvolve webinars, disponibiliza uma área de notícias e atualidade e destaca-se pela estratégia nas redes sociais. Neste caso, destaque para a página de LinkedIn que conta com mais de 114 mil seguidores.

Cuatrecasas, marketing juridico

Baker & McKenzie

Uma sociedade de advogados americana e com uma forte presença internacional, a Baker & McKenzie disponibiliza um conjunto diversificado de conteúdos. De podcasts a blogs com análise e comentário, tem ainda newsletter com análise e opinião sobre tópicos atuais nas várias áreas jurídicas ligadas às empresas.

Baker & McKenzie, marketing juridico

Mafalda Correia Advogados

Nem só as grandes sociedades são exemplo de aposta nos conteúdos. A uma escala mais pequena, a Mafalda Correia Advogados é um exemplo de como os conteúdos são uma mais-valia para o Marketing Jurídico. Além de um blog sobre temas relacionados com as áreas jurídicas em que trabalha, disponibiliza um consultório online no qual os seus advogados esclarecem dúvidas sobre questões jurídicas.

mafalda correia advogados, marketing juridico

Em todos estes exemplos fica evidente que uma estratégia de Marketing Jurídico centrada na produção de conteúdos úteis e de valor acrescentado é um meio para advogados e sociedades de advogados divulgarem a sua atividade de maneira mais informativa.

Por isso, se precisa de criar uma estratégia de conteúdos para a área jurídica, conte com a qualidade e a competência da nossa equipa para o ajudar. Fale connosco!

Blandina Costa
Conheça o autor / Blandina Costa

Editora e diretora-geral da Webtexto.