theSkimm é a newsletter que faz as pessoas mais inteligentes

theSkimm é a newsletter que faz as pessoas mais inteligentes

A theSkimm autointitula-se como a newsletter que torna as pessoas mais inteligentes, garantindo que seja qual for a conversa que esteja a marcar o dia é possível ter uma opinião sobre o tema. Tudo isto gastando apenas cinco minutos diariamente.

A ideia partiu de Carly Zakin e Danielle Weisberg, duas jornalistas americanas que eram muitas vezes confrontadas com as perguntas das amigas sobre o que se estava a passar no mundo. A profissão obrigava-as a estar sempre a par da atualidade, mas perceberam que isso não era o mais comum. Com carreiras de sucesso e um horário sempre muito preenchido, as amigas tinham pouco tempo para perceber os acontecimentos que eram tema de conversa e sobre os quais pouco mais sabiam do que os títulos dos jornais.

“Não havia quem lhes desse as notícias de uma forma que se encaixasse no seu estilo de vida, por isso, vimos este vazio no mercado e quisemos criar um produto que esta audiência gostasse e quisesse voltar”, conta Danielle Weisberg, uma das fundadoras num vídeo publicado pelo banco americano Chase.

Despediram-se e criaram a theSkimm em 2012, uma newsletter que tem mais de 1,5 milhões de leitores e uma taxa de abertura que ronda os 45%.

Mais do que uma newsletter com as principais notícias do dia tornou-se uma marca que simboliza um determinado lifestyle e que representa uma comunidade específica identificada como as mulheres millennials.

“Somos a primeira empresa a transformar notícias e informação numa marca de lifestyle”, afirmou Danielle Weisberg.

Num curto espaço de tempo tornaram-se num caso de sucesso, contando com a ajuda dos chamados Skimm’Bassadors, a legião de seguidores que ajuda a promover a newsletter. Passaram a figurar na lista da Forbes das personalidades abaixo dos 30 anos e receberam o apoio de celebridades como Oprah Winfrey, tendo feito uma série de vídeos para o Oprah.com.

 

O que é a newsletter theSkimm?

Na theSkimm, as notícias são desmontadas, contadas com humor e algum sarcasmo, garantindo que o essencial da informação está lá todos os dias da semana, pela manhã. Basta olhar para o texto que convida a assinar a newsletter para perceber o tom: “Vamos experimentar acordar juntos”. Os que decidem não assinar ficam logo com um rótulo: “Não, obrigado. Eu prefiro sentir-me miserável de manhã”.

Numa linguagem descontraída e um pouco informal, dá não só a conhecer as principais notícias do dia, mas explica também o que está em causa em cada notícia e aquilo que os leitores devem, afinal, reter.

Um exemplo de como as histórias são contadas é o título dado a uma notícia sobre a forma como as autoridades dos EUA reagiram ao problema do vírus Zika: ‘O que diz quando olha para o extrato do cartão de crédito… Isto é pior do que eu pensava’. A mesma reação tiveram as autoridades americanos quando confrontadas com o problema.

A estrutura da newsletter não é sempre a mesma, mas há uma orientação muito semelhante. Há sempre uma frase do dia a abrir, seguindo-se um ou dois temas de destaque do dia. Neste caso, a abordagem é contar os factos, explicá-los e, no final, deixar a ideia essencial que deve ser retida (theSkimm).

Há, depois, uma secção a que chamam de ‘Repeat After Me’. Aqui, é possível ficar a saber o que as pessoas andam a comentar e, logo, saber quais os temas que é preciso estar a par para não ficar fora das conversas. Para finalizar, há sempre sugestões, mais ligadas ao lazer, e uma lista de leitores aniversariantes.

Blandina Costa
Conheça o autor / Blandina Costa

<p>Editora e diretora-geral da Webtexto.</p>